Apologeta destrói argumento progressista de que cristianismo é ‘intolerante’

O cristianismo não é uma religião “intolerante” porque ser teologicamente correto não é o mesmo que ser intolerante, afirma um apologista.

Jason Jimenez, autor que fundou o Stand Strong Ministries e membro do corpo docente do Summit Ministries, apresentou um episódio de seu podcast “Challenging Conversations” na semana passada, no qual respondeu a perguntas dos ouvintes.

Algumas questões centradas em saber se a ortodoxia bíblica e o cristianismo, em geral, não são relevantes para a sociedade hoje, e se o cristianismo tem um sistema de crença “intolerante”. 

“Cristãos progressistas dirão: ‘Vocês são tão tacanhos. Vocês estão tão presos à sua doutrina que são inamovíveis. E vocês não sabem que a verdade muda com o tempo e vocês são rígidos, antiquados, estilo de religião atrasado, galileu, do primeiro século está desatualizado? E você precisa ser mais inclusivo, em vez de ser tão exclusivo; [o que] o leva a ser tão intolerante’”, disse Jimenez. 

“Existe alguma validade no que algumas pessoas estão dizendo? Claro. Mas, a questão diante de nós está no cerne da religião do cristianismo: é intolerante? Não, se for verdade.”

Jimenez disse que toda religião é exclusiva à sua maneira, acrescentando que “as pessoas sempre fazem parecer que o cristianismo é a única religião exclusiva”.

“Vá falar com um budista. Vá falar com uma Testemunha de Jeová. Vá falar com um muçulmano. Quero dizer, posso listar tantas outras religiões. Portanto, as religiões têm pontos de vista opostos. Pegue o Islã e as três principais religiões monoteístas – Islã, Cristianismo e judaísmo”, explicou Jimenez. 

“Todos eles acreditam em Deus. Mas, apenas o Cristianismo acredita na Divindade, na Trindade, na doutrina trinitária. Então, nossas visões de Deus – além do fato de que há um Deus, não há muitos – sai pela porta. Eles acreditam Jesus foi um profeta, mas eles não acreditam que Ele era o Messias. E há muitos judeus que até afirmam que Jesus é um profeta. Todos os muçulmanos sim. Mas eles não afirmam que Ele é o Salvador de o mundo para morrer na cruz por nossos pecados”. 

Onde quer que haja visões opostas, nem tudo pode ser verdade, segundo Jimenez, que enfatizou que “não é intolerante se é verdade, mas nem todas as opiniões podem ser falsas”.

“Pelo menos uma visão deve ser verdadeira”, disse Jimenez. “Se sabemos que todos eles são falsos, isso significa que temos que saber algo para ser verdadeiro. Mas sabemos que todos eles não podem ser verdadeiros se se contradizem. Então, quando Jesus afirma ser essa verdade, é verdade ou é falso.”

Jimenez citou 1 Coríntios 15 para enfatizar como a Bíblia diz que o cristianismo não seria verdadeiro se a ressurreição nunca tivesse acontecido. Ele acrescentou que o cristianismo é separado de outras religiões porque a fé desafia seus seguidores a “testá-lo”. 

“Ele diz para testar todas as coisas, para se apegar ao que é verdadeiro. Repetidas vezes, é isso que a Bíblia nos ensina. Então, se o cristianismo é provado como verdadeiro, então não é ser intolerante. Se Cristo morreu por nós pecados, se Ele morreu por toda a humanidade, isso não soa intolerante. Isso mostra uma grande misericórdia e um grande amor que Jesus oferece salvação para todos”, disse ele. 

“O cristianismo é a única religião pela qual Jesus afirmou ser o Filho de Deus, cumprir a profecia, viver uma vida sem pecado, morrer e ressuscitar dos mortos e oferecer a você e a mim a vida eterna. Isso não é algo que é intolerante. Isso é algo que é uma oferta incondicional de graça e misericórdia”. 

Fonte: JM Noticias

Foto: Divulgação

You May Also Like

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *